top of page
Buscar

Aceitação: Limitações como Oportunidades


Estamos no início do ano, muitas pessoas já definiram as suas resoluções de Ano Novo, que muitas vezes incluem quebrar hábitos que querem mudar nas suas vidas, para tornar certas coisas diferentes e desafiar-se a si mesmas... e eu estava a pensar que para ser diferente primeiro tenho que estar em paz com o que sou hoje e honrar o passado que me trouxe aqui. Como sou hoje foi moldado pela minha história pessoal e experiências de vida. As circunstâncias em que nasci, a educação que me foi imposta e também, mais tarde, as minhas escolhas e processos de autoeducação, tudo isto levou a onde estou hoje, com os meus pontos fortes e as minhas fraquezas.


Uma oportunidade é-me apresentada quando faço uma pausa e observo-me, sendo capaz de escolher aceitar o que notei. Seja o que for, posso escolher escutar-me sem julgamentos, sem ignorar o que sinto, ou sem tentar escondê-lo dos outros e, acima de tudo, de mim mesma. Mesmo sem saber fazer melhor, quando encaro as minhas limitações ou fraquezas como oportunidades, já estou aberta ao questionamento e estou num caminho de auto-descoberta.


Recentemente, encontrei estas palavras de Russell Delman, um praticante sénior de Feldenkrais, definindo - humildade - como a coragem de estar na experiência do momento com um sentido de "não saber". Gosto desta lembrança da prática de Sócrates, que aborda a realidade com o reconhecimento de "não saber". O método Feldenkrais é semelhante a um questionamento socrático, mas não com palavras, antes com imagens, padrões e ações. As nossas perguntas são colocadas através do movimento, e tal como Sócrates, estamos abertos a "não saber". Na verdade, a única condição é que não nos esforcemos para "fazer algo certo" porque, no final, aprender não é o mesmo que a vida.


Para aprender nas nossas aulas criamos as condições para falhar com segurança, testamos e falhamos, falhamos muito, falhamos de propósito, para que possamos fazer distinções e realmente entender porque é que um movimento é melhor do que o outro. No seu livro "The Elusive Obvious", Moshe Feldenkrais diz: "Para chegar ao movimento certo, é necessário pensar num movimento que é melhor, em vez de pensar no que está certo, o movimento certo não tem desenvolvimento futuro. (...) O melhor pode ser melhorado - o certo permanece o limite para sempre."


Para 2022 desejo que todos nós possamos continuar a acolher a experimentação e os fracassos para um crescimento suculento e ilimitado!


Obrigada pela tua atenção. Espero encontrar-te na próxima aula.


Calorosamente,

Sofia




14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

תגובות


bottom of page